Inclusive onde você menos espera

— Bom dia, senhora. A senhora pode me dizer onde fica a Rua Anastácio?

— Bom dia, moço. Desculpe. Não sou desse bairro, não vou saber.

— A senhora já levou um tiro?

— …?!

— Já levou?

— Ai, meu Deus!

— Calma, dona, é só um assalto. Não grita, não fica olhando pros lados, não faça nada. Ninguém vai te ajudar. É só abrir a bolsa e me passar o dinheiro. Eu vou embora e pronto.

— N-não tenho dinheiro, não tenho.

— Desceu daquele carrão e não tem dinheiro? Deixa eu ver.

— Eu não tenho, eu não, não… Ai, meu Deus.

— Para de tremer, mas que coisa!

— Eu…eu.

— Aí, tá vendo? Derruba a bolsa no chão, espalha as coisas. Só pra me atrasar! Tô trabalhando, pô! Tenho o dia todo não!

— Eu não tenho dinheiro, não carrego dinheiro, nunca carrego dinheiro porque… pra…
— Pra não ser assaltada? Mas que besteira!

— ?!

— Mas tem cartão! Olha aí que cartão bonito! E mais um! E mais outro!
— Não leva meu cartão, moço, eu…

— Shhhh. Quem falou em levar? Vou passar na maquininha!

— ?!

— Pronto. Aqui. Digita a senha.

— Mas…

— A senha, dona, não posso ficar aqui o dia todo não. Prefere o tiro?

— Ai, meu Deus, não moço, não faz isso.

— Feito! Quer a tua via?

— N-não, obrigada.

— Problema teu. Podia pedir reembolso do assalto pra administradora do cartão.

— Então…

— Já era. Demorou, perdeu. Fui. A senhora não fica olhando, não fica parada de bobeira e não conta pra polícia. Ou conta, não faz diferença. Tchau.

E a Isaura voltou pra casa rodando na cabeça aquela antiga propaganda: Os cartões de crédito e débito Mastercard são aceitos em todo o Brasil, inclusive onde você menos espera.

Compartilhe
mm

Rodrigo Martins Barbosa

Há alguns anos precisa de duas colunas do soroban para contar o tempo de advocacia. Vítima de lesão por legislação excessiva, não consegue mais acender os faróis do carro durante o dia desde a aprovação da lei 13.290/2016.